Olá, meu querido leitor! O post de hoje é especialmente para aqueles que estão em momentos de transição entre uma fase e outra, seja no começo de sua jornada (no momento do primeiro passo para definir sua carreira) ou durante um momento de desânimo, quando você acaba duvidando de suas crenças. Afinal, a máxima de que “você poder ser o que quiser”, na filosofia de que todos os sonhos são possíveis, é apenas uma frase que resume o discurso, mas não se limita a acreditar apenas.

Por isso, hoje vamos analisar quatro razões para não rejeitar seu sonho diante de um caminho aparentemente mais fácil.

  1. Você não precisa sacrificar absolutamente tudo pelo seu sonho.

A velha lenda do gênio que larga casa, família e trabalho pode não ser o melhor exemplo a se seguir, uma vez que toda decisão tomada gera uma consequência, que deve ser encarada.

Não se engane – todo sonho precisa de uma parcela de sacrifício, que pode ser resumido no seu esforço e dedicação. Esse sacrifício deve ser planejado em termos reais para que possa ser posto em prática com consciência.

Por exemplo, se você precisa de seu trabalho atual, mas quer estudar mais para seguir sua verdadeira paixão, não largue seu sonho: pense em uma maneira de conciliar os dois, seja garantindo uma bolsa de estudos na faculdade onde quer estudar ou estudando em um horário após o trabalho.

Se você quer ser músico, mas não consegue uma gravadora, a internet é a melhor ferramenta para chegar lá.

Sempre há caminhos alternativos.

 

  1. As chances aumentaram

Ainda que as chances, infelizmente, não sejam acessíveis na mesma proporção para todos, tentar sempre foi a melhor probabilidade de conseguir. Acima disso, hoje as oportunidades são mais abrangentes do que já foram em outros tempos, seja pelo acesso à internet ou pela maior quantidade de bolsas de estudo e financiamentos, e ainda o crescimento dos cursos à distância.

O cenário não é perfeito, mas vale a pena seguir em frente.

 

  1. O “e se der tudo errado” pode não ser tão ruim

Como o medo de não achar meios de dar o suficiente de si, o medo de acabar investindo demais e fracassar pode ser igualmente paralisante.

Largar o curso que você começou, mas não gostou, em troca de outro pelo qual seus olhos brilhem pode não arruinar sua vida (mas ficar no curso talvez possa). Pagar pelo curso dos sonhos pode não fazer com que você perca sua casa. Ir a favor da carreira que você deseja em vez de seguir a carreira que família e amigos preferem que você faça pode não ter as consequências de seus pesadelos.

Mesmo não podendo controlar a realidade, visualizar os passos concretos que você precisa dar (como mensalidades de pré-vestibular, tempo a ser investido em estudos etc) torna seu caminho mais claro.

 

  1. A dúvida cruel: “E se eu tivesse…?”

Uma coisa é certa – não tentar é a melhor forma de falhar. E essa falha, que apagou um caminho antes mesmo iniciá-lo, pode chegar mais tarde como um incômodo que não irá embora até que você resolva tentar (e nunca é tarde para fazê-lo).

Que tal evitar isso a partir de agora e ter a certeza de que aquele caminho não ia funcionar – ou melhor, começar agora e ter mais tempo para recomeçar, se falhar na metade de seu projeto!

Mas lembre-se: sonhos precisam de sacrifícios, e sacrifícios devem ser postos em termos práticos. Colocar metas concretas é a melhor forma de criar ânimo para seguir seu sonho e torná-lo também menos assustador. Faça seu planejamento e, em momentos difíceis, recorde-se, visualize os benefícios de fazer aquele sacrifício durante algum tempo.

Você pode tudo!

(Se acreditar, planejar e agir com empenho)

 

Confira também

Não passei no Sisu; e agora?