É, amigo leitor. Se, de cara, o título já provocou certo desconforto é porque o erro carrega uma grande dose de preconceito em nossa sociedade. Infelizmente, a noção de que o erro sempre será acompanhado de uma consequência negativa pode acabar minando o processo de aprendizagem.

De que forma? São muitas.

“Eu sou burro porque não tiro notas boas”, “Eu nunca vou conseguir aprender essa matéria”, “Eu não sou capaz.” O não responder em sala de aula por temer ser visto como inferior. Desistir de tentar pela falta de esperança. Esses são pensamentos recorrentes de alunos (até mesmo depois de concluírem ou saírem da educação formal) traumatizados por uma visão que se extravasa no modelo de mundo dos indivíduos.

 

Se você se identificou com alguma dessas situações, pare agora.

 

Para aprender, dois elementos são indispensáveis: errar, ser curioso e ter um guia. Errar, porque é através do erro que se tem a oportunidade de reforçar o que está sendo aprendido. Curiosidade, para examinar o erro e continuar em busca do caminho certo. E um guia, que possa motivar e iluminar os caminhos do aprendiz através do diálogo. E não se preocupe. O guia pode ser o professor, mas muitas vezes ele aparece na figura de um parente, de um amigo ou até de um texto.

Mas, Urubatan, por que eu não consigo aprender?

As razões dessa sensação são diversas. O aprendizado é um processo dinâmico, que varia de pessoa para pessoa: umas têm mais facilidade de aprender lendo o conteúdo e resumindo, outros têm facilidade de fazê-lo ouvindo às aulas e outros precisam debater o conteúdo para construir seus conhecimento, entre outras maneiras de aprender. Por isso, o melhor a fazer é tentar diversos métodos até achar o seu.

Outra razão é estar se baseando em notas de avaliações. Avaliação é um processo para medir o  desenvolvimento, e algumas vezes a avaliação pode não se adequar exatamente a seu estilo de aprendizagem. Se você conhece o tema e não consegue fazer a prova, é provável que o que falta seja aprender a fazer a avaliação. Isso mesmo. Muito a alunos podem ter dificuldade na interpretação de enunciados e na elaboração da resposta (responde certo a pergunta errada, descreve quando precisa enumerar, por exemplo). Outros alunos podem ter dificuldade em trabalhar em equipe ou falar em público. Por isso, em qualquer um desses casos, é importante não confundir capacidade de aprender com capacidade de realizar avaliações. Busque seu caminho construindo experiência: não fuja, pergunte aos professores a razão de seus erros na prova, faça provas anteriores e treine a fala diante de um espelho.

Se ainda assim você tem dúvidas e precisa de orientação, procure conversar com professores e orientadores educacionais, com seus pais e até mesmo com profissionais que também investigam a área, como psicólogos. Não se preocupe, a resposta chegará se continuar seguindo em frente.

O importante é não ter medo de tentar e errar, além da paciência de voltar a tentar. Não deixe que o que as pessoas ao seu redor dizem, seja lá o que for, afete a visão que você tem de si mesmo.

Você pode tudo!

 

Confira também

Métodos de Estudos: antigos x diferentes